Carte non disponible

Titre Ciência e Tecnologia Pública: Ciência e Tecnologia como bem comum

Thème - Territoire

Slogan

Descrição / Relato

Objetivo do Seminário:
O objetivo da mesa é discutir a lógica que orienta a elaboração das políticas públicas de Ciência, Tecnologia e Inovação e de Educação Superior e os cortes de recursos a elas impostos pelo atual Governo brasileiro. E, a partir daí, buscar reorientar essas políticas no sentido da promoção da igualdade social, estabelecendo diálogos com as agendas públicas de ciência e tecnologia e as políticas e conjunturas de forma mais ampla na América Latina.
Como dito por Renato Dagnino, ao contrário do que ocorre com outras políticas públicas, é ainda incipiente no âmbito da esquerda a discussão sobre as políticas públicas de Ciência, Tecnologia e Inovação e de Educação Superior e suas dimensões e critérios de relevância social.
Dado que a retomada do desenvolvimento social exigirá que essas políticas públicas sejam capazes de gerar o conhecimento necessário para produzir os bens e serviços que irão satisfazer as demandas materiais da maioria da população, é importante entender por que os recursos a elas dedicados estão sendo cortados.
O corte de recursos efetivado não reflete uma simples mudança quantitativa. Ele revela uma alteração qualitativa, que ocorre também nos países desenvolvidos, sobre como a política cognitiva deve ser orientada. No Brasil, com o Golpe, o que já vinha ocorrendo foi impulsionado num sentido ainda mais coerente com o projeto neoliberal.
Diante desse corte, a elite científica pretende convencer da importância do que ela faz e da necessidade de crescente recurso público para suas atividades de ensino e pesquisa. Mesmo a maioria das pessoas da esquerda que é parte da comunidade de pesquisa adota discurso semelhante, que não tem se mostrado capaz oferecer alternativas a dinâmica tecnocientífica global (cujo cerne é a empresa) e que funciona em lógicas que promovem a deterioração programada, a obsolescência planejada, o consumismo exacerbado, a degradação socioambiental e manutenção da produção de conhecimentos (e práticas de ensino) discriminatória e disfuncional para a diversidade e as lutas por direitos nos campos étnico-raciais-culturais e de gênero.
As quatro normas de conduta – o cientificismo, o produtivismo, o inovacionismo e o empreendedorismo – que a elite científica impõe “para acompanhar a dinâmica tecnocientífica global”, vem agravando a disfuncionalidade social de nossas instituições públicas de ensino e pesquisa. Foi se consolidando a partir daí uma correlação de forças para a elaboração dessas políticas públicas que paradoxalmente exclui àqueles que deseja incluir, ou seja, a sociedade de modo geral, especialmente os mais pobres.
Ainda que raramente se perceba ou se explicite, as agendas científicas locais expressam uma lógica que não atende “essa parte”, de fato a maior parte, da sociedade. Pouco se expressa nas instâncias de ciência e tecnologia, de ensino superior, o compromisso com os trabalhadores e trabalhadoras, que com seu imposto “bancam” esses recursos que agora estão sendo cortados. Tudo indica que para inverter essa lógica e políticas públicas – orientadas pela elite científica e voltadas a atender a agenda tecnocientífica global -, é necessário uma autocrítica da comunidade de pesquisa, liderada por seu segmento de esquerda, que as conecte com demandas sociais de fato e processos de radicalização da democracia.

Debatedores:
Política Científica e Tecnológica e Inclusão Social
Renato Dagnino – Professor Titular da UNICAMP

O Marco (i)Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação e a pesquisa pública
Epitácio Macário – Professor Adjunto da UEC e Coordenador do GTCT do ANDES-SN

A comunidade de pesquisa brasileira e a agenda de pesquisa
Rogério Bezerra da Silva – Assessor Legislativo e Pesquisador do Grupo de Análise de Políticas de Inovação (GAPI) da UNICAMP.

O Marco (i)Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação e a privatização do conhecimento
Carlos Jorge Rossetto – Pesquisador aposentado do IAC Campinas e Membro da Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (APqC).

A ciência e engajamento com lutas/movimentos sociais – ciência feminista
Márcia Tait – Professora do Mestrado em Divulgação Científica e Cultural (LABJOR/UNICAMP) e Pós-doutoranda do Departamento de Política Científica e Tecnológica da UNICAMP.

Tecnologia social na universidade pública
Luciana Ferreira – Professora Adjunta da UNIFESP e Coordenadora do Núcleo Educacional de Tecnologia Social e Economia Solidária (NETES) da UNIFESP.

Organização:
Movimento pela Ciência e Tecnologia Pública (MCTP) – ANDES-SN; ADUNICAMP; GAPI/UNICAMP; NETES/UNIFESP; SOLTEC/UFRJ; ApqC; SINPAF – Seção Jaguariúna; ADUSP; ADUNIFESP; Associação Filosófica Scientiae Studia

Data/hora
Date(s) - 15/03/2018
14:00 - 16:00 .

Profil


Contato

Deixe uma mensagem e etornaremos o mais rápido possível. You can send us an email and we'll get back to you, asap./puede enviarnos un correo electrónico y nos comunicaremos con usted lo antes posible./vous pouvez nous envoyer un email et nous reviendrons vers vous, dès que possible.

En cours d’envoi
Select your currency
BRL Réal brésilien
EUR Euro

Vous connecter avec vos identifiants

ou    

Vous avez oublié vos informations ?

Create Account