Seminário do FSM

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese and European Spanish. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in this site default language. You may click one of the links to switch the site language to another available language.

A escravidão no Brasil continua passado mais de 500 anos. A colonização enraizada, a desfaçatez do racismo, as multiformas de genocídio, a falta de políticas públicas direcionadas a comunidades tradicionais. A condição dos povos brasileiros de matriz africana foi destacada em diversas falas durante o Seminário Internacional Fórum Social Mundial, realizado nos dias 17 e 18 de outubro, na Universidade Federal da Bahia, em Salvador.

Questões levantadas e defendidas em pelo menos três das sete mesas realizadas durante o seminário, e que tiveram como eixos temáticos, “O desafio da Integração Regional, Latino-americana e Africana: Soberania e integração dos povos por um outro modelo de desenvolvimento”, “A onda de intolerância e discriminação no Brasil e no Mundo” e “Terras, Territórios e a Justiça Social e Ambiental”.

Tata Edson, do Fórum Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional de Povos Tradicionais de Matriz Africana (Fonsanpotma), destacou a luta para que as tradições afrodescendentes não sejam vistas apenas como religiosidade, mas traços da resistência e diálogo entre os povos. De acordo com ele, só no Brasil existe cerca de meio milhão de unidades territoriais tradicionais, e que somadas as das Américas, Latina e Central, chegam a quase um milhão. “São estes locais que guardam os conhecimentos vivenciais, advindos dos povos originários e por consequência, conseguem conexão do dia-a-dia com a população destas unidades”, ressalta Tata Edson.

Para Maisa Bahia, representante da Unegro e participante do painel “A onda de intolerância e discriminação no Brasil e no Mundo”, há uma ruptura da religião de matriz africana por conta da maioria de seus adeptos serem descendentes de africanos no Brasil. “A cor da pele ofende. O ser negro ainda machuca. Quando o nosso jovem de dentro do terreiro é assassinado é a descontinuidade do nosso segmento, que não vai para frente. Não temos jovens que preguem a nossa cultura, o nosso culto religioso. Há um “apartheid no Brasil”, constatou ela.

Kitanji, também da Fonsanpotma, denuncia o Estado brasileiro e o projeto colonizador que criminaliza os povos tradicionais. “Quando pensamos em genocídio, pensamos no extermínio físico, mas quero tratar o genocídio em seu pensamento e entender que é o Estado brasileiro que orquestra o genocídio da população negra e dos povos africanos presentes no Brasil”. De acordo com ela, o genocídio perpassa primeiramente pela garantia de exterminar as novas gerações.

Para ela ainda, o mesmo projeto político de extermínio se volta também contra as mulheres das periferias por serem as responsáveis pela perpetuação dos conhecimentos e saberes africanos dentro das periferias do Brasil. “Então “eu” subjugo, elimino características, destruo possibilidades territoriais, crio legislações e formas de silenciar os direitos destas mulheres. Eu fortaleço o patriarcado e desfortaleço o matriarcado gerado por estas na periferia. Aí reforço e construo um projeto político real de genocídio. Extermino o filho dela e cerceio os seus direitos e as suas práticas”, finaliza Kitanji.

Já na mesa “Terras, Territórios e Justiça Ambiental”,o Vodunci Cleyton Òlilase (Fonsanpotma) apontou o descaso do Estado em relação a criação de políticas públicas voltadas a povos tradicionais que assegure direitos a terra. “Não saiu uma PL para povos e comunidades tradicionais. No momento em que defendemos terra e territorialidade, não é defender um simples pedaço de chão, é defender o espaço sagrado”. Ainda segundo ele, é importante que o FSM crie um espaço de debates para todos os povos tradicionais, indígenas, quilombolas, palestinos, de matriz africana, por que há uma diversidade de segmentos que estão no Brasil e todos sofrem com o racismo ambiental.

O Seminário Preparatório Internacional do FSM integrou a programação do Congresso da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Ana Paula de la Orden

Foto: Stella Oliveira

0 Comments

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Contato

Deixe uma mensagem e etornaremos o mais rápido possível. You can send us an email and we'll get back to you, asap./puede enviarnos un correo electrónico y nos comunicaremos con usted lo antes posible./vous pouvez nous envoyer un email et nous reviendrons vers vous, dès que possible.

Sending
Select your currency
BRL Brazilian real
EUR Euro

Log in with your credentials

or    

Forgot your details?

Create Account