Mapa não está disponível

Título Conferência: "A era do capital improdutivo: O FSM 2018 e a ampliação das resistências"

Tema - Território

Lema Nenhum direito a menos!, Relatos

Descrição / Relato

Cobertura

Capital improdutivo é tema das atividades realizadas pelo IPF e parceiros no Fórum Social Mundial 2018

 

Descrição Inicial

Conferência seguida de debate, onde será analisada a história recente da economia brasileira, percebida como um exemplo para a análise da conjuntura planetária. Uma melhor compreensão do caso brasileiro, por suas escandalosas dimensões, pode contribuir para gerar a necessária transparência do funcionamento financeiro na arena internacional e dar suporte a ações de resistência, a propostas de resgate da economia produtiva e de controle sobre as políticas econômicas. A Conferência, realizada pelos parceiros Instituto Paulo Freire, CUT, IDEC e Fundação Perseu Abramo, contará com a participação do professor Ladislau Dowbor, autor do livro “A era do capital improdutivo”.

MESA DE CONVERGÊNCIA

Educação popular, comunicação e conhecimento: ataques ao conservadorismo e experiências de resistência.

 Resistir contra:

  • A negação do direito à educação pública, gratuita e para todos/as.
  • A violação do direito à comunicação para todos/as.
  • A repressão a manifestações populares, ao calar de vozes de lideranças populares.
  • Aos sistemas patriarcais e de morte.

 Como :

  • Formação política : recuperar nossas histórias, nossa identidade. Sistematizar nossas “dores” , explicitar para transformar.
  • Defender nossos corpos como territórios em disputa.
  • Acesso a informações de modo igualitário para toda a população. Não há democracia sem democratizar a comunicação e sem garantir liberdade de expressão para todos/as.
  • Desenvolver redes de comunicação alternativas , comprometidas com o fortalecimento de diferentes culturas e com lutas sociais.
  • Desenvolver discursos contra hegemônicos, disputar sentidos.
  • Garantir autonomia para as mídias públicas.
  • Ampliar a ocupação dos diferentes espaços das universidades, desenvolvendo ações dos movimentos sociais.
  • Fazer com que as novas tecnologias de informação e comunicação sejam colocadas à serviço dos direitos humanos.
  • Valorização das expressões culturais da juventude, como afirmação de resistência e construção de identidades.

 Destaques finais:

  • Aproximação de universidades com movimentos e lutas sociais.
  • Subverter “as ordens” dos sistemas de educação.
  • Promover cada vez mais reflexões sobre a importância da comunicação na colonização ou descolonização das mentes.

Documento apresentado pelo CEAAL na Assembleia Muncial dos Povos e Movimentos em Luta, dia 16/03/2018, em Salvador, Bahia.

 O Conselho de Educação Popular de América Latina e o Caribe, CEAAL, participou ativamente no FSM 2018 organizando duas atividades de convergência e três atividades autogestionadas.

Baseado nelas, sintetiza as principais reflexões por meio das seguintes afirmações:

  • Nossas resistências se expressam em um momento histórico em que se impõem uma ofensiva conservadora, neoliberal, racista, patriarcal, colonialista, e, por outro lado, a luta dos povos por um outro mundo (democrático, solidário, com base na justiça social, equitativo e respeitoso das diversidades). Nesse momento histórico, vivemos uma disputa radical que não é só nos campos econômico, político, ideológico, social e cultural, mas é fundamentalmente uma disputa ética entre os valores do mercado e o lucro e os valores do cuidado da vida.
  • Neste contexto, há também duas concepções ou modelos de educação em disputa. Por um lado, a educação hegemônica, neoliberal e ao serviço dos interesses do mercado e dos grandes capitais. Por outro lado, uma educação popular, libertadora, dialógica, a serviço da soberania e dos interesses populares e que permita construir a autonomia dos sujeitos da transformação social. Nesse sentido é uma disputa entre uma educação autoritária e antidemocrática, contra uma educação democrática e democratizadora.
  • Acreditamos na importância de impulsionar múltiplos processos de formação politica desde as bases e os territórios e as culturas populares, que respondam à diversidade de problemáticas e necessidades particulares no marco de um paradigma de transformação global.

 

“Um outro mundo possível” não deve ser somente uma voz de ordem, deve ser uma prática cotidiana que possibilite a construção em todos os campos da vida, relações democráticas, justas, equitativas e solidárias, entre todas as pessoas e todos os povos”. Desde essa prática cotidiana vamos construir os alicerces de essa outra maneira de viver para o futuro da humanidade.

Esse desafio, a coerência entre nossos sonhos e nossa prática, é o grande desafio de uma educação popular como processo político-pedagógico transformador. Como diz aquela música de Gonzaguinha: “Vamos lá fazer o que será”.

Mesa de diálogo

A educação frente às políticas neoliberais: resistências e propostas

 Resistir:

  • À mercantilização da educação, à entrega das universidades ao capital estrangeiro. Universidade não se vende, se defende.
  • À criminalização de movimentos estudantis.
  • Ao crime que o governo golpista está fazendo com a alfabetização, com cortes políticos à verbas de estados que possuem governos de oposição.
  • À mudança da função social da escola. A escola deve ser emancipadora e não adestradora, tendo como objetivo o mercado.

Como:

  • Lutar pelo direito à educação, unidos aos movimento sociais e populares que defendem esse direito.
  • Reinventar nossas lutas e nossas pedagogias, desenvolvendo pedagogias feministas, pedagogias da revolução, que promovem a leitura do mundo e a construção de possibilidades de enfrentamento, de transformação.
  • Construir um grande movimento nacional contra os avanços do neoliberalismo.
  • Realizar uma caravana que percorra as universidades do país, promovendo debates sobre a importância da garantia de uma educação pública, gratuita e de qualidade social.
  • Realizar alianças entre partidos políticos e associações de pais e estudantes , criando uma plataforma pela escola pública.
  • Fortalecer lutas coletivas em defesa de direitos comuns, a partir dos ataques sofridos nos diferentes territórios.
  • Fortalecer o diálogo, o compartilhar de experiências de educação emancipadora e de resistência à mercantilização da educação, ente os diferentes países.
  • Realizar novas edições do FMEPT- Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica.
  • Recuperar a história da primavera estudantil de estudantes secundaristas de 2015, sistematizar e divulgar.
  • Denunciar as intervenções e a destruição das universidades públicas. Defender a existência de universidades emancipadoras que contribuam para a soberania nacional.
  • Buscar fortalecer os sindicatos, recuperando seu potencial de intervenção.
  • Criar plataformas de governo aberto, que possibilitem o diálogo entre pessoas e grupos de diferentes posições políticas.
  • Fazer educação política em todos os espaços, “inclusive na mesa e na cama”.
  • Refletir sobre qual projeto de nação estamos construindo?
  • Garantir espaços de exercício de cidadania desde a infância.

 

Quando:

Agora. Fortalecer o Fórum Mundial de Educação e potencializar sua incidência.

Data/hora
Date(s) - 15/03/2018
10:00 - 12:00 .

Perfil


Contato

Deixe uma mensagem e etornaremos o mais rápido possível. You can send us an email and we'll get back to you, asap./puede enviarnos un correo electrónico y nos comunicaremos con usted lo antes posible./vous pouvez nous envoyer un email et nous reviendrons vers vous, dès que possible.

Enviando
Select your currency
BRL Real brasileiro
EUR Euro

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account